Para cada vinho, uma taça ideal

Não existe uma infinidade de taças por acaso. Cada uma delas foi desenvolvida para conduzir um tipo de vinho à boca e seu aroma ao nariz, de forma a realçar cores e sabores do fermentado, o que influencia sobremaneira o resultado da degustação. Sim, aqui a ordem dos fatores altera o produto.

Mas, como este post não é direcionado a enólogos profissionais, não vamos nos ater a todos os modelos disponíveis no mercado, mas apenas a alguns principais que, certamente, vão proporcionar uma ótima experiência aos apreciadores de um bom vinho, em geral.

Quatro modelos de taças são suficientes para se iniciar no mundo da degustação de vinhos: uma para brancos, duas para tintos (Bordeaux e Borgonha) e uma para espumantes.

 

Taça para vinhos brancos

 

O vinho branco precisa ser consumido em temperaturas mais baixas e, por este motivo, as taças têm o corpo menor. Além disso, o formato facilita o realce das notas frutais.

 

Taça Bordeaux

 

As taças Bordeaux foram feitas para vinhos mais encorpados e ricos em tanino, feitos principalmente a partir da uva Cabernet Sauvignon. Esta taça possui o fundo maior que a circunferência da borda, justamente para evitar a dispersão de aromas. É indicada para Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Syrah, Tannat, entre outras uvas.

 

Taça Borgonha

 

Os vinhos que devem ser saboreados na taça Borgonha são mais complexos e concentrados, produzidos principalmente com a uva Pinot Noir. Por esse motivo, as taças são em formato balão, um pouco maior na circunferência e mais reta que a taça Bordeaux, para que haja mais contato com o ar. Esta taça foi desenvolvida para que o nariz possa sentir bem o aroma do vinho e também facilitar o contato da bebida com o centro da língua, diminuindo sua acidez.

É também indicada para vinhos Riojas, Barbera Barricato, Amarone, Nebbiolo e Pinot Noir.

 

Para espumantes e Champagne

 

Para bem apreciar um Champagne ou um espumante comum, a taça adequada é a que chamamos de flûte, ou flauta. Ela foi desenvolvida para que possam ser apreciadas as borbulhas, ou perlage. A taça delgada também direciona a efervescência e os aromas para o nariz. Quanto mais larga for a taça, melhor, pois se for reta demais no sentido longitudinal não irá realçar os aromas.

 

A forma correta de segurar as taças é sempre na haste. Sim, elas não estão lá por um mero acaso! Além de evitar marcas de dedos no corpo da taça, as hastes também garantem que a temperatura do vinho não aumente rapidamente por conta do toque direto das mãos.

 

E aí, todos preparados para o tim-tim? Então, venham brindar no La Mamma Cucina, com rótulos de primeira e servidos da maneira correta para nenhum apreciador botar defeito!

 

 

 

 

 

Facebook
Twitter
Google+
http://www.lamamma.com.br/para-cada-vinho-uma-taca-ideal/